Cine-Fórum mobilizou dezenas de pessoas com diálogos e cultura pela Luta Antimanicomial

Cine-Fórum mobilizou dezenas de pessoas com diálogos e cultura pela Luta Antimanicomial

20 de maio de 2024 0 Por Francisco Avelino

Atividade aconteceu no Cine Henfil e contou com exibição de filme sobre a temática, relatos de experiências em saúde mental e premiação do concurso

Foto: Divulgação

A Prefeitura de Maricá, por meio da Secretaria de Saúde, promoveu na sexta-feira (17/05) o Cine-Fórum da Semana da Luta Antimanicomial, que reuniu profissionais da área, usuários dos serviços e a população em geral no Cine Henfil, no Centro. Essa foi a principal atividade da mobilização pelo cuidado em liberdade e de respeito às singularidades das pessoas que possuem sofrimentos psíquicos, com programação que incluiu a exibição do filme “Em busca de Judith”, apresentação musical dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial 3 (Caps 3), premiação da vencedora do concurso artístico, além de diálogos sobre o tema “O que você busca ao ser antimanicomial” no Fórum de Atenção Psicossocial.

Classificada como uma peça-filme, a obra “Em Busca de Judith” foi o ponto focal da programação. Nele, a atriz Jéssica Barbosa expõe através de uma performance solo situações familiares ligadas à Luta Antimanicomial, ao tentar descobrir a verdadeira história da avó paterna, que faleceu e foi classificada como louca ao ser internada em um dos antigos manicômios — espaços que promoviam o encarceramento e diversos abusos.

A iniciativa, que contou com o apoio da Secretaria de Cultura, teve abordagem intersetorial e integrou mais pessoas à luta por uma saúde mental pautada em humanização. Também participaram da ação profissionais das Unidades de Saúde da Família (USF) que expuseram suas experiências relacionadas a esse cuidado; da Secretaria de Assistência Social; assim como estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Maricá (Facmar) e da Universidade de Vassouras.

Gisele Diniz, psicóloga das Equipes Multiprofissionais de Atenção Psicossocial (Emap), foi uma das apresentadoras do evento e destacou a construção coletiva de uma saúde mental baseada no cuidado em liberdade.

“No Brasil, como parte da Luta Antimanicomial, tivemos essa nova proposta do cuidado em liberdade, da subjetividade de escolhas, do respeito às singularidades dos sujeitos. As equipes das Emap fazem parte disso, um projeto de Maricá que traz os profissionais ao território, circulando porque somos comunidade e sociedade”, afirmou.

André Luiz Avelino, psicólogo do Caps Álcool e Outras Drogas (Caps AD), ressaltou o impacto de falar sobre o tema e ampliar os olhares sobre o papel dessa luta.

“No evento, trouxemos um filme para conscientizar sobre a temática da luta antimanicomial. Muitos perguntam o que é ser antimanicomial e isso vai além de fechar os manicômios: é um trabalho em prol do tratamento e do respeito. O cuidado é na cidade porque estamos promovendo o resgate da cidadania, já que nosso trabalho é em prol da inclusão. É um cuidado atento e ouvindo as demandas para poder se organizar e cuidar, uma luta por respeito que estamos firmes”, garantiu.

Arte e cultura pela saúde mental

Durante o momento de falas e relatos de experiências ligadas ao cuidado psicossocial, a equipe de Saúde Mental realizou a premiação da arte vencedora do concurso artístico da Semana da Luta Antimanicomial. Marcia Overney Batista, autora da expressão artística campeã, explicou a relação com a temática e as inspirações para chegar ao desenho.

“Fui acolhida pelo Caps de forma humanizada quando fui levada pelo meu filho e temos que ter consciência que todos nós podemos ter problemas dessa natureza. Quando surgiu o concurso, meu filho e a psicóloga da Emap me incentivaram a participar e cheguei a um desenho, que representa, à esquerda, um universo colorido, de felicidade e amor, mas onde existem pessoas que estão aprisionadas. Do lado direito, temos cachos mais soltos e borboletas com o significado de liberdade e transformação: a oportunidade de voar e viver das pessoas com transtornos mentais. Que todos sejam tratados, cuidados e não aprisionados”, pontuou.

Em outra frente, nesta segunda-feira (20), das 14h30 às 17h, acontece a última atividade da Semana da Luta Antimanicomial, a roda de conversa “Saúde Mental da população LGBTQIA+ e a Luta Antimanicomial”, que será na Praça Orlando de Barros Pimentel, no Centro. A iniciativa é intersetorial e ocorrerá próximo à Casa de Cultura, com o objetivo de debater um olhar qualificado às demandas de saúde mental desse público, além das singularidades do acolhimento e acompanhamento.