Secretaria de Cultura participa de debate sobre Lei Aldir Blanc

Secretaria de Cultura participa de debate sobre Lei Aldir Blanc

17 de julho de 2020 0 Por Francisco

“Bate-Papo na Rede” é a live que acontece nesta sexta-feira (17/07), às 21h, pelo Canal do Youtube do Coletivo Cultural Itaipuaçu, a fim de conversar sobre a Lei Aldir Blanc, assunto que interessa não só a todos que trabalham com arte, mas por quem a valoriza e sabe de sua importância no mundo.

A iniciativa do debate partiu dos coletivos culturais da cidade, a fim de que dúvidas sejam pontuadas e esclarecidas por dois convidados: o presidente do Fórum Estadual de Secretários e Dirigentes Municipais do RJ, Marcelo Bravo, e o secretário de Cultura de Maricá, Sady Bianchin.

“São diálogos fundamentais para informar os fazedores de cultura sobre os recursos que irão ajudá-los, principalmente os menores, à frente dos carros nos  sinais fazendo malabares para ganhar um troco e que não podem mais ir à rua. Então, a lei é importante, mas o mais importante ainda é a aplicação da lei. E como é uma lei nova, nem todo mundo está entendendo”, ressalta Marília Danny, da Rede de Profissionais de Dança de Maricá.

Na mesma linha pensa Raul Toledo, do Coletivo Cultural de Itaipuaçu. Segundo ele, são de suma importância essas rodas de conversas a fim de propiciar esclarecimentos sobre o tema. “Para nós da sociedade civil e não apenas aos integrantes dos coletivos culturais, mas para todas as pessoas inseridas no fazer cultural maricaense, porque a ideia é agregar e é aberta a todos”, diz.

Já Thiago Cardoso, do Coletivo Cultural de São José de Imbassaí, destaca a nova lei “como um ponto que a cultura precisava para ser valorizada”. Para que ninguém tenha medo de se dedicar à arte ou ter de abandoná-la para fazer outra coisa: “é um dos maiores incentivos ao setor na história do país e, melhor, visando ao artista que está na rua e que agora conta com esse apoio”, elogia. “É histórica, mesmo – completa Danny – nunca houve uma mobilização tão grande no sentido de dar apoio à cultura como se conseguiu com essa lei”.