Médica é agredida por querer interromper festa

Médica é agredida por querer interromper festa

2 de junho de 2020 0 Por Natalia Aguiar

No último sábado (30), a médica anestesista e intensivista Ticyana Azambuja, de 35 anos, foi brutalmente agredida por um grupo de pessoas que estavam dando uma festa nomeada de “Festa da Covid” no Grajaú, bairro da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. 

A médica que trabalha em três hospitais na linha de frente contra o Covid-19 relatou que após reclamar diversas vezes com o vizinho sobre a proibição de realizar festas com aglomerações durante a pandemia, decidiu chamar a atenção vandalizando um dos carros de um frequentador da festa, ela admite que foi um ato de imaturidade: “Naquela tarde eu decidi dar um basta e encarar eles. Em um ato de imaturidade, quebrei um dos carros, parado irregularmente na calçada. Assim eu sabia que eles viriam para conversar comigo. Mas eles não vieram para conversar. Vieram para me matar”, contou Ticyana. 

O grupo da festa partiu então para a agressão física, fotos e vídeos divulgados mostram as cenas de violência e covardia. Ticyana sozinha é agredida por homens e por uma mulher.

Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Rio de Janeiro disse já ter identificado os suspeitos das agressões à médica. Um deles, inclusive é policial militar, o PM Luiz Eduardo Salgueiro. 

Ticyana está com uma mão imobilizada e a outra mão e uma perna engessadas. Ela afirmou estar com medo e com vontade de mudar de bairro.