Na defensiva, Bolsonaro força saída de Teich para tentar acabar com isolamento em junho

Na defensiva, Bolsonaro força saída de Teich para tentar acabar com isolamento em junho

15 de maio de 2020 0 Por Francisco
TOPO
Por Valdo Cruz Comentarista de política e economia da GloboNews. Cobre os bastidores das duas áreas há 30 anos

Na defensiva por causa da investigação de suposta interferência política na Polícia Federal, o presidente Jair Bolsonaro decidiu forçar a saída de Nelson Teich do Ministério da Saúde para tentar acabar com o isolamento social em junho.

Bolsonaro se convenceu, a partir de conversas com sua equipe econômica, que a continuidade do isolamento social para além desse limite causaria um dano muito mais forte à economia – e colocaria em risco o sucesso do restante do mandato.

Isso explica, segundo assessores palacianos, a nova subida de tom do presidente contra as medidas de distanciamento social e a favor do uso da cloroquina já desde os primeiros sintomas de coronavírus.

Dentro do Palácio do Planalto, o presidente foi alertado que, neste ritmo, acabaria levando a uma saída de Nelson Teich do governo.

A resposta do presidente veio na reunião com empresários, quando ele disse que havia sido eleito para tomar decisões, e que seus ministros teriam de entender isso.

Era um recado claro na direção de Nelson Teich, que se recusava a seguir as determinações do presidente para assinar ato liberando o uso da cloroquina em massa no país. Teich também evitou adotar as regras de flexibilização do isolamento social defendidas pelo presidente, mas que podem colocar em risco a saúde das pessoas.

Apesar do desgaste pela saída do segundo ministro da Saúde no meio do enfrentamento da pandemia do coronavírus, o presidente decidiu esticar a corda.

Segundo assessores, Bolsonaro avaliou que Teich, em vez de seguir suas determinações, virou um obstáculo para elas – tal qual o antecessor Henrique Mandetta.Mandetta.

Fonte G1