Primeiro pólo de atendimento para coronavírus está pronto no Centro

31 de março de 2020 0 Por Francisco Avelino

A próxima etapa da estratégia de enfrentamento à pandemia de Covid-19 já está sendo posta em prática pela Secretaria de Saúde de Maricá: na próxima sexta-feira (03/04) será aberto, no Centro do município, o primeiro dos três polos de atendimento a pacientes com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus.

A estrutura, similar à de um hospital de campanha, foi erguida e equipada no terreno do Esporte Clube Maricá para prestar o atendimento. Outros dois espaços assim, que funcionarão como a porta de acesso da população ao atendimento de casos do Covid-19, serão inaugurados nas semanas seguintes, em Itaipuaçu (10/04) e em Ponta Negra (17/04).

Nas tendas, que funcionarão todos os dias, das 8h às 20h, os atendimentos serão precedidos de um protocolo de classificação de risco, que determinará a necessidade de urgência para cada caso.

“Os pacientes serão separados até em salas de espera diferentes, evitando o chamado cruzamento de fluxos, que aumenta o risco de contágio. Assim, se uma pessoa tem febre, ficará num espaço com outros que apresentem esse sintoma; se tem febre e tosse, já vai para outra área – cada uma assistida por um médico diferente”, explicou a subsecretária da Rede de Atenção e Saúde Coletiva da Secretaria de Saúde, Solange Oliveira.

Diariamente, trabalharão em cada polo quatro médicos, cinco enfermeiros três técnicos de enfermagem e um auxiliar de farmácia (responsável pela distribuição de medicamentos relacionados a sintomas de gripe), além de seis servidores na administração e quatro para a limpeza dos locais. Duas ambulâncias ficarão à disposição nos polos para possíveis remoções de pacientes que apresentarem quadro de gravidade.

Solange afirma que o modelo em implantação na cidade vai desafogar as unidades básicas de saúde e dos hospitais, que passarão a oferecer os leitos de alta complexidade de que Maricá precisará para atender aos possíveis casos graves de Covid-19.

“O Hospital Conde Modesto Leal precisa estar livre tanto para os pacientes graves de coronavírus quanto para as outras demandas, como acidentados ou vítimas de infarto, por exemplo, que continuarão a chegar. E o Che Guevara, que será aberto em breve, só fará atendimento de alta complexidade do Covid-19”, detalhou.

Ainda de acordo com a subsecretária, nos polos de atendimento não será feita coleta de amostras para testagem da infecção por coronavírus.

“A coleta de material para análise se dá quando o paciente já apresenta quadro de gravidade; nesse caso, nós o estabilizaremos e removeremos para o hospital, onde será feita essa coleta”, afirmou ela, ressaltando também que existe a preocupação com a vinda de pessoas dos municípios vizinhos, que não estão se estruturando adequadamente para a expansão do número de casos da doença.

“É possível que acabemos absorvendo uma demanda de pessoas que não moram em Maricá, mas nosso planejamento já prevê isso”, assegurou.