Canteiros da RJ-106, em Maricá, recebem mudas de palmeiras e ipês

Canteiros da RJ-106, em Maricá, recebem mudas de palmeiras e ipês

18 de dezembro de 2019 0 Por Francisco Avelino

O plano faz parte do projeto de paisagismo da cidade.

Setecentas palmeiras das espécies rabo de raposa e imperial serão colocadas pela Prefeitura até fevereiro de 2020Foto: Divulgação

Setecentas palmeiras das espécies rabo de raposa e imperial serão colocadas pela Prefeitura até fevereiro de 2020 nos canteiros da Rodovia Amaral Peixoto (RJ-106) que ficam dentro do território do município. De acordo com Francisco Lameira, da Diretoria de Parques e Jardins da autarquia Serviços de Obras de Maricá (Somar), além das palmeiras, ipês rosa, amarelo e roxo também serão plantados nos mesmos locais. Ele também falou um pouco sobre o plano, que faz parte do projeto de paisagismo da cidade.  

“É uma maravilha para a gente. Além de embelezar a chegada à Maricá, o local também terá uma manutenção constante, o que trará mais segurança principalmente para quem trafega por ali. Vai ficar bonito”, explicou Francisco.

Parte do mesmo plano, uma parceria da Somar com a Secretaria de Cidade Sustentável vai iniciar o plantio de mudas, principalmente de ipês, em vários pontos da cidade. Vale ressaltar que Maricá tem um viveiro municipal onde são oferecidas  mudas de várias espécies gratuitamente, não só de ipê. 

É só ir ao local, que fica junto do Complexo de Infraestrutura do Caxito. As espécies são variadas, como Pata de Vaca, Genipapo, Goiaba, Algodão-da-Praia, Aroeira, Ipê Rosa, Capim-limão e Acácia.

“Adorei a novidade, eu trouxe os meus parentes aqui no fim de semana e já estão até pensando em morar aqui. Está uma beleza. Eu moro aqui já tem um tempo e estou vendo muita mudança, muita mesmo”, disse Lúcia Azevedo, moradora de São José do Imbassaí.

“O plantio das palmeiras vem mudando radicalmente o visual da rodovia. Você sente uma energia positiva quando chega aqui. A gente está vendo mais verde, mais cuidado, mais interesse em fazer com que a comunidade se sinta bem onde mora”, comentou Carlos Roberto, o Beto Torneiro, dono de uma oficina de usinagem às margens da RJ-106.

Fonte o São Gonçalo