Vigilância capacita grupo do Exército que estará na Operação Acolhida

Vigilância capacita grupo do Exército que estará na Operação Acolhida

novembro 6, 2019 0 Por Francisco

Profissionais vão preparar o rancho para 600 militares que atuarão em missão de acolhimento e Roraima, na fronteira com a Venezuela


A Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses do Rio levou nesta terça-feira, dia 5, capacitação em boas práticas na manipulação de alimentos a 47 militares da força-tarefa Logística Humanitária da Operação Acolhida. Do grupo que recebeu a orientação, 30 profissionais cuidarão do rancho dos 600 militares do Exército que, a partir do próximo dia 20, desembarcam em Roraima, no norte do Brasil, na fronteira com a Venezuela, para reforçar a missão de acolhimento das forças armadas coordenada pelo Ministério da Defesa.

Entre as ações, eles atuarão nas cidades de Boa Vista e Pacaraima, acolhendo imigrantes em situação de vulnerabilidade por conta do fluxo migratório provocado pela crise no país vizinho. A missão reúne também militares da Marinha do Brasil e da Força Aérea Brasileira, Ministérios do Governo Federal, do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), de Organizações Não Governamentais (ONGs), agências civis, secretarias estaduais e municipais, entre outros. A capacitação foi realizada no 57º Batalhão de Infantaria Motorizada, na Vila Militar, Zona Oeste da cidade.

“Esta é mais uma parceria que fazemos com a Vigilância Sanitária e, certamente, será de grande valia para a nossa operação em Roraima. Essa capacitação nos permitirá, por exemplo, a minimizar doenças transmitidas por alimentos (DTAs)”, disse o coronel do Exército Francisco Augusto dos Santos.

A capacitação foi conduzida pela médica-veterinária Marissol Figueiredo, coordenadora de Eventos da Superintendência de Educação da Vigilância Sanitária, que destacou a importância da ação. “Nesta capacitação levamos conhecimentos de boas práticas para a preparação de alimentos que são fundamentais para minimizarmos os riscos à saúde e até para evitarmos um surto de DTAs”, explicou a coordenadora Marissol durante o curso que conferiu carteira de manipulador de alimentos a todos os 47 participantes.