Vigilância comemora a milésima castração do novo centro cirúrgico da Zona Oeste

Vigilância comemora a milésima castração do novo centro cirúrgico da Zona Oeste

outubro 2, 2019 0 Por Francisco

A Subsecretaria de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses (Subvisa) comemora a milésima castração realizada no Centro de Controle de Zoonoses Paulo Dacorso Filho, o CCZ. Implantada há 33 anos no Largo do Bodegão, 150, em Santa Cruz, a unidade ganhou no último dia 12 de agosto um moderno centro cirúrgico que atende a demanda reprimida de castrações gratuitas de cães e gatos na Zona Oeste.

O mascote nota mil do CCZ é Pequeno, um cãozinho de apenas oito meses e sem raça definida. Ele foi castrado nesta segunda-feira, 30, e ganhou como mimo coleira e guia da equipe da unidade, que recebeu elogios da tutora Jeniffer Lemos. “O procedimento ocorreu sem problemas, no dia e horário agendados”. Jeniffer soube do novo serviço por um amigo e não perdeu tempo. Além de Pequeno, levou Otto e Schot, e todos saíram castrados, microchipados e de carteirinha de identificação, com direito à foto e tudo.

Com o novo serviço do CCZ, a Vigilância Sanitária passou a oferecer mais mil castrações mensais para cães e gatos. Somando as 1.500 disponibilizadas desde junho no Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman (o IJV, que fica na Avenida Bartolomeu de Gusmão, 1.120, São Cristóvão), a Prefeitura do Rio fez crescer em quase 600% o número de castrações: dos 400 em janeiro de 2017 para 2.500 nesse mês de setembro. Por enquanto, a marcação é feita presencialmente. A agenda de outubro já está lotada, com a de novembro devendo abrir no quinto dia útil.

– Trabalhamos para implantar em breve o agendamento online, o que vai facilitar o acesso à castração, com um atendimento ainda melhor. Esta cirurgia é fundamental para avançarmos com a prevenção de riscos à saúde pública. Ainda mais agora com o RGA (Registro Geral de Animais), instituído pelo Sisbicho, plataforma digital para o cadastro de animais online lançada no último dia 16 de setembro. Essas ações nos permitem, por exemplo, ampliar o controle populacional e minimizar zoonoses como a esporotricose – explica a médica-veterinária Márcia Rolim, subsecretária de Vigilância Sanitária, pasta vinculada à Secretaria Municipal de Saúde.

Nas duas unidades (IJV e CCZ), o agendamento é feito de segunda a sexta-feira, a partir das 8h, por meio de distribuição diária de 90 senhas por ordem de chegada com direito a até três animais por CPF, como forma de atender a mais pessoas. Para gatos, gatas e cães, basta ir a um desses locais, marcar a data e retornar no dia da cirurgia. Já para as cadelas é preciso apresentar hemograma feito, no máximo, 30 dias antes da castração. O exame é oferecido a preços populares nas duas unidades. Felinos e caninos recebem anestesia inalatória e local para o pré e o pós-operatório e, em média, os veterinários levam meia hora para castrar um cachorro e 15 minutos para um gato. Em caso de impedimento de estar presente no dia da cirurgia, o dono ou tutor do animal deve procurar a unidade para reagendar o procedimento.

– Lá em casa recolhemos animais abandonados na rua e precisávamos castrar, mas é muito caro em clínica particular. Agora com essa opção pertinho de casa, aqui na Zona Oeste mesmo, está sendo ótimo. Além da facilidade, o atendimento aqui é maravilhoso e bem rápido – elogiou a estudante Débora Cristina Martins, 22 anos, moradora de Santa Cruz, dona de 11 cães e um gato, quatro deles já castrados no novo centro cirúrgico.

Ao assumir a Vigilância Sanitária em 2017, Márcia Rolim – que é servidora do município há 17 anos, 15 deles dedicados a projetos de zoonoses no IJV – encontrou uma rotina de dez castrações por dia. Mas com a adequação de equipes, este número logo subiu para 14 e no mesmo ano ganhou o reforço de 130 vagas exclusivas para gatos a cada dois meses, com o Mutirão da Castração implantado pela Prefeitura para conter a epidemia de esporotricose, doença provocada por um fungo existente na terra que se manisfesta em gatos e pode ser transmitida ao homem.

Outros programas – Os programas voltados a zoonoses continuaram crescendo. Em janeiro desse ano, com a contratação de 35 veterinários, os atendimentos diários a cães e gatos no IJV aumentaram 100% (de 50 para 100) e as castrações triplicaram: de 400 para até 1.500 ao mês. O tratamento da esporotricose também cresceu, com novos 200 atendimentos ao mês. E agora, com o serviço oferecido no CCZ, a expectativa é de ultrapassar as 10 mil castrações até o fim do ano.

– A castração faz parte das ações de prevenção de riscos à saúde pública. Ela diminui a ansiedade e o estresse nos animais e contribui para a redução de doenças graves, como o câncer e a esporotricose. Esta cirurgia permite mais tempo de vida aos animais, menos gastos para seus donos (na rede particular, a castração de cão custa cerca de R$ 800 e a de gato, R$ 500) e economias com ações de políticas públicas, em um ciclo que traz ganhos para todos. Nossa meta é castrar cerca de dez mil animais, mais do que os 9.215 castrados nos últimos quase três anos – diz Márcia Rolim.

Mitos e verdades sobre a castração

1- A cadela não precisa cruzar uma vez antes da cirurgia. Quanto antes a castração melhor para a saúde do animal.

2- Acasalar não tem ligação com melhoria do comportamento do animal.

3- A cirurgia é simples e rápida, e o animal é liberado no mesmo dia.

4- A castração não é a causa da engorda do animal.

5- A fêmea castrada não entra mais no cio, o que evita a agressividade por excitação sexual constante e elimina a gravidez psicológica, uma das causas da infecção das mamas.6- Machos precisam ser castrados tanto quanto fêmeas, pois procedimento evita tumores de próstata e testículos.