MILITAR PRESO COM 39 QUILOS DE COCAÍNA NA ESPANHA INTEGRAVA COMITIVA DE BOLSONARO

MILITAR PRESO COM 39 QUILOS DE COCAÍNA NA ESPANHA INTEGRAVA COMITIVA DE BOLSONARO

27 de setembro de 2019 0 Por Francisco Avelino

Sevilha – A Guarda Civil espanhola prendeu na terça-feira um militar com 39 quilos de cocaína no aeroporto de Sevilha. Ele integrava a tripulação de uma das aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB), utilizada pelo presidente Jair Bolsonaro para seus deslocamentos. O presidente viajou na noite de terça-feira para o Japão, onde participará da reunião de líderes do G20. Ele também faria escala em Sevilha, mas no fim da noite o Planalto alterou a primeira parada para Lisboa, antes de seguir para Osaka.

Ele era o sargento da Aeronáutica da tripulação que assumiria o voo do avião reserva do presidente Jair Bolsonaro, segundo o jornal O Estado de S. Paulo. O militar embarcou em Brasília, no avião reserva da Presidência, o Embraer 190, do Grupo de Transportes Especiais, da Força Aérea, que transportava três tripulações de militares para a missão presidencial. 

O jornal espanhol ‘El País’ diz que a detenção aconteceu quando a aeronave fez escala no aeroporto para servir de avião de reserva ao mandatário brasileiro, que viaja em outra aeronave.

Fontes da Guarda Civil espanhola disseram ao ‘El País’ que o órgão detectou a droga e prendeu o militar quando os tripulantes e bagagens passaram pelo controle alfandegário obrigatório na chegada ao aeroporto de Sevilha. A droga estava distribuída em 37 tabletes na mala do homem, de 39 anos, segundo a TV 7. “Em sua mala, havia apenas drogas”, afirmou uma porta-voz da força policial em Sevilha à AFP.

Depois da detenção, o militar foi transferido para dependências do comando do órgão em Sevilha, onde está à disposição da Justiça acusado de crime contra a saúde pública espanhola, categoria que inclui o tráfico de drogas na Espanha. 

O presidente Jair Bolsonaro publicou nota em sua conta oficial no Twitter nesta terça-feira confirmando a prisão de um militar brasileiro no aeroporto. O nome do militar, que pertence à Aeronáutica, não foi informado. O Ministério da Defesa também emitiu nota informando o episódio e destacando que os fatos seguem sendo apurados.

O Ministério da Defesa brasileiro reforça que repudia os atos do militar e que colaborará com as autoridades espanholas na investigação. Bolsonaro anunciou pelo Twitter que pediu a imediata colaboração com a polícia espanhola.

(O DIA)