Disque Denúncia divulga cartaz para tentar identificar assassinos de jornalistas de Maricá, no RJ

Disque Denúncia divulga cartaz para tentar identificar assassinos de jornalistas de Maricá, no RJ

21 de junho de 2019 0 Por Francisco Avelino

Polícia tenta encontrar autores dos assassinatos de Romário Barros e Robson Giorno, ambos mortos em menos de um mês na cidade.

O Disque Denúncia divulgou um cartaz para tentar identificar quem matou os jornalistas Romário Barros e Robson Giorno em Maricá, na Região Metropolitana do Rio. Os dois jornalistas foram assassinados em menos de um mês na cidade.

Segundo o Disque Denúncia, já foram recebidas algumas informações.

Quem tiver qualquer informação que possa levar aos assassinos pode entrar em contato pelo telefone (21) 2253-1177, pelo WhatsApp (21) 98849-6099 ou ainda pelo aplicativo “Disque Denúncia RJ”. O anonimato é garantido.

Romário era fundador e repórter do portal “Lei Seca Maricá – LSM” e foi morto a tiros na noite da terça-feira (18) dentro do próprio carro quando estava voltando de uma caminhada.

Imagens de segurança divulgadas pela Polícia Civil mostram o momento em que Romário entra no carro que estava estacionado e, em seguida, um homem corre até o local, abre a porta do carro e dispara várias vezes contra a vítima.

Robson Giorno foi assassinado na porta de casa, no bairro Boqueirão, no dia 25 de maio. O jornalista era dono do jornal “O Maricá” e, segundo sua página pessoal em uma rede social, ele pretendia se candidatar a prefeito nas eleições de 2020.

Segundo a Polícia Civil, as investigações de ambos os casos seguem em andamento na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) .

Repercussão dos crimes

Jornalistas Romário Barros e Robson Giorno foram mortos em Maricá, RJ, em menos de um mês — Foto: Reprodução/Facebook
Jornalistas Romário Barros e Robson Giorno foram mortos em Maricá, RJ, em menos de um mês — Foto: Reprodução/Facebook

Os casos tiveram repercussão nacional e algumas instituições se pronunciaram.

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) emitiu uma nota pedindo celeridade na investigação das mortes dos dois jornalistas.

O Programa Tim Lopes, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), acompanha as investigações e apura se as duas mortes são retaliações e têm relação com a profissão da vítima.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) também se manifestou sobre os assassinatos.

“Assim como o assassinato de Robson Giorno, é evidente que Romário também foi vítima de um crime premeditado, configurando uma execução”.

G1 Região dos Lagos