Não adianta fugir

Não adianta fugir

4 de abril de 2019 5 Por Francisco Avelino

Por Alan Christi

Tem gente que tenta fugir do país. Tem gente que tenta escapar de um presídio. Tem gente que tenta fugir dos impostos. Outros tentam correr das obrigações. Muitos tentam despistar as dívidas. Alguns buscam fugir de situações, datas, de outras pessoas, e até da própria vida. Ou seja, se vê todo o tipo de fulga por ai. Mas, não dá para fugir de 3 coisas: da Consciência, da Justiça e do Sentimento. Essas três coisas são inseparáveis do ser e não há como escapar delas. Ledo engano quem acha poder fugir delas e tempo perdido quem o tenta. Em nenhum dos mundos, em nenhum dos tempos e em nenhuma matéria é possível se desvencilhar da Consciência, da Justiça e do Sentimento.

A consciência é a faculdade fundamental do ser humano. Se perceber como ser vivo, social, inteligente e questionador e, sobretudo, saber o que faz é o estatuto da Consciência. Não se foge dela. Ela te cobra, ela te persegue e ela te direciona. A consciência é fatal, certeira e sincera. Ela não mente, pois, assumiu em si o compromisso com a verdade. Ela é interna e pessoal e por isso conserva a mais alta intimidade com o sujeito que a carrega. Daí, o seu mais absoluto salvo conduto na mente e no pensamento do indivíduo.

A justiça é universal e equilibrada. Toma para si a essência máxima da Lei do Retorno e entrega para cada um exatamente aquilo que merece. Não há barganha e nem negociação. Seu julgo é inflexível e suas leis são pétreas. Ela nasceu com os mundos e existirá para sempre. Ela é atemporal e justa à proporção de suas causas. Não erra, não falha e não tarda. Acontece exatamente no tempo exato de cada julgamento e de cada sentença. Não brinque com ela. A Justiça tudo pode!

O sentimento é emergente. Uma força que brota e se avoluma. Todos o possuem, desde os mais frios, aos mais emotivos. Ele é infinito e multifacetado. Entre desejo, medo, expectativa, repulsa, atração, felicidade, tristeza, disposição, preguiça, admiração, inveja, ambição, ansiedade, tesão, desprezo, vazio….existem outras bilhões de possibilidades de sentimentos por si, pelo outro, pelas coisas, pela vida e pelo nada. Conhecemos apenas parte do nosso sentimento, pois existe ainda sua dimensão inconsciente que em muito pouco conseguimos acesso. O sentimento é força produtora, mas também paralisante. Olhe com cautela, cuidado e atenção para seus sentimentos. Eles variam de uma pluma a um trator e exercem fortíssima influência sobre seu corpo, sua mente, sua vida social e seu espírito. Respeite seu sentimento! Não há como fugir dele!

Portanto, para aquele que quer fugir do país, das responsabilidades, de alguém ou até de si mesmo, não perca seu tempo. Você terá de haver-se com o que plantou e consequentemente, encarar a colheita de toda a sua semeadura. É a Lei Universal e líquida das coisas. Pense bem daqui por diante e entenda que mudar é uma solução possível, fugir não!